Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Como as APIs aprimoram a qualidade da segurança?

Como as APIs aprimoram a qualidade da segurança

Loading

Quando é preciso integrar câmeras de segurança, sistemas de vigilância, detecção de movimento, controle de acesso e alarmes, é muito comum o uso de APIs para fazer produtos de diferentes fabricantes conversarem. Mas o que é uma API ou Application Programming Interface?

Uma API permite que diferentes aplicativos e sistemas se comuniquem entre si de maneira padronizada e eficiente. Isso permite que desenvolvedores criem aplicações e serviços utilizando as funcionalidades e dados fornecidos por outras aplicações – como um sistema de monitoração – ou serviços, sem precisar entender todos os detalhes internos desses sistemas. Veja algumas das principais vantagens das APIs: 

 

Facilitar a integração

APIs ajudam a conectar diferentes sistemas de câmeras de segurança, controle de acesso e alarme, entre outros aplicativos e serviços, de forma mais fácil, eficiente e padronizada.

 

Compartilhar dados e funcionalidades

Uma API pode apresentar os dados e funcionalidades de um sistema para outros sistemas, permitindo que esses sistemas acessem e utilizem essas informações. Assim, um sistema de monitoramento poderá ‘ler’ todas as informações de uma câmera de segurança, além das imagens, como taxa de frames, localização, problemas na alimentação elétrica e muitas outras informações.

 

Melhorar a experiência do usuário

APIs podem ser usadas para criar serviços e recursos que melhorem a experiência do usuário em um aplicativo ou website. Graças a elas, podemos acompanhar as imagens e sons enviados por uma câmera de segurança específica ou um conjunto delas, na tela do celular.

 

Automatizar tarefas

APIs podem ser usadas para automatizar tarefas, como enviar notificações, gerenciar usuários, entre outras.

 

Promover a inovação

APIs permitem que desenvolvedores criem soluções e serviços a partir de sistemas já existentes, o que pode impulsionar a inovação e o desenvolvimento de novas tecnologias. É com as APIs que os sistemas de monitoramento extraem dados importantes de análise das câmeras de segurança para gerar relatórios que alimentam estruturas de machine learning e big data.

 

Segurança eletrônica com APIs

Uma API pode ser usada em um sistema de vigilância para permitir que diferentes componentes do sistema se comuniquem, compartilhem dados e automatizem determinadas tarefas.  Ela permite que você identifique os dados e a funcionalidade que deseja acessar. Em um sistema de vigilância, você pode querer acessar dados de câmeras, sensores ou outros dispositivos, além de executar tarefas como gravar vídeo, enviar alertas ou analisar imagens.

Existem muitas APIs que podem ser usadas para diferentes finalidades em um sistema de vigilância, como streaming de vídeo, reconhecimento facial ou detecção de movimento. Escolha uma que forneça os dados e a funcionalidade de que você precisa. Depois de selecionar uma, você precisará integrá-la ao seu sistema de vigilância. Isso normalmente envolve escrever código para se conectar, enviar solicitações e receber respostas. Você também pode precisar definir configurações e lidar com erros.

Após integrar a API ao seu sistema, teste-a minuciosamente para garantir que esteja funcionando conforme o esperado. Faça os ajustes necessários em seu código ou definições de configuração para melhorar o desempenho e a confiabilidade. Entre as possibilidades estas integrações oferecem, estão:

 

  • Integração da tecnologia de reconhecimento facial para identificar e rastrear indivíduos em tempo real;
  • Usar APIs de detecção de movimento para acionar alarmes ou gravar quando a atividade é detectada em uma determinada área;
  • Streaming de feeds de vídeo ao vivo de câmeras para um sistema de monitoramento centralizado;
  • Integração de APIs de serviços de terceiros, como APIs meteorológicas ou APIs de tráfego, para fornecer contexto e informações adicionais aos operadores de vigilância.
Picture of Aurélio Abujamra

Aurélio Abujamra

Jornalista no portal Security Business

Compartilhe este artigo

Veja também