Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.

Tendências para datacenters: o impacto do IA e da Energia

A IA está presente no setor de datacenters, que terá de ajustar-se às suas demandas para explorar seu potencial e lidar com questões de escassez de energia.

Loading

É fácil dizer que 2023 foi o ano da inteligência artificial (IA), ou IA generativa, para ser mais específico. Ajustar-se às suas demandas e explorar o seu potencial têm sido as grandes tarefas para a indústria de datacenters em 2024, assim como o tratamento de questões relacionadas à escassez de energia.

 

por Davi Lopes*

 

As empresas continuam a adotar a computação em nuvem, recalibrar implementações e se envolver na transformação digital. Contudo, o principal impulsionador da demanda por data centers nos próximos anos será a IA. Estamos projetando que, para cada novo datacenter padrão haverá três datacenters adicionais de IA com todos os desafios associados à tecnologia, como densidades de servidor mais altas.

Mas, atenção: essa não será a única forma como a IA impactará essa indústria em expansão. Assim como o software tem automatizado operações, neste ano veremos ferramentas impulsionadas por IA que podem fornecer mais inteligência para o controle de energia de utilidade, backup e refrigeração, assim como otimização operacional entre domínios (gêmeos digitais), design e construção de data centers, manutenção, robótica e muito mais.

Precisa de mais capacidade agora? Boa sorte. Não há muitos imóveis construídos sob medida para data centers disponíveis, esperando que inquilinos passem e se inscrevam. Em 2024 há mais construções sob medida. Isso se aplica a todos os setores, não apenas os gigantes da internet.

 

Energia: uma questão sensível para o datacenters

As instalações são construídas sob medida, porém, ainda exigem componentes. E, dadas as restrições existentes, isso está levando os operadores a bloquear o máximo possível da cadeia de suprimentos. A infraestrutura modular de um datacenter é uma resposta viável. A economia atual suporta as eficiências da modularidade e dá ênfase às entregas futuras garantidas.

Como você vai alimentar esses datacenters novos – ou os existentes – e atender as ambiciosas metas de neutralidade de carbono? Obter aprovação para uma licença requer um fornecimento de energia renovável e a compreensão de que seu sistema de backup poderia efetivamente transformá-lo em uma usina geradora de energia. Nem todas as jurisdições estão confortáveis com essa ideia, mas este ano veremos a indústria começar a tornar isso em algo positivo.

Grandes sistemas de armazenamento de bateria alimentados por energias renováveis podem beneficiar a rede regional e a população local. A ideia é que, além de usar a capacidade excedente armazenada durante os períodos de demanda excessiva do cliente, os operadores podem colaborar com as concessionárias de serviços públicos e vender energia durante os períodos de demanda elevada de seus clientes.

Como alimentar essas baterias é uma questão em aberto, entretanto, a partir de uma rede elétrica menos estável, a indústria provavelmente terá crescentes oportunidades de se tornar uma amiga da comunidade.

Vale destacar outras três tendências: alternativas ao diesel (padrão); opções de refrigeração líquida; e computação quântica. Elas estão surgindo, mas ainda merecem atenção:

– diesel verde e hidrogênio: a redução da energia hidrelétrica e os implantes eólicos e solares mais lentos do que o esperado levaram à instabilidade energética no ano passado. O diesel é a resposta rápida para operadores de data centers em tais circunstâncias, mas isso vai contra compromissos de sustentabilidade.

– diesel verde (renovável) e hidrogênio verde: são opções. A disponibilidade limitada de matéria-prima para o primeiro e um ciclo de vida intensivo em energia para o segundo os tornam subótimos atualmente, mas isso poderia mudar. Esse é um problema que a indústria quer resolver o mais breve possível.

–  refrigeração líquida: uma carga constante de IA aquece os servidores. Esse é um dos motivadores para a evolução da refrigeração a ar para a líquida, que se torna uma resposta para clusters de IA que excedem 20 kW/rack. A refrigeração líquida está longe de ter alcançado o “planalto de produtividade”.

A melhor abordagem é, portanto, trabalhá-la em novos designs, o que a coloca a alguns anos de distância da implementação. A modernização é complicada e um pouco arriscada, porém o calor é real, e veremos mais experimentações e testes em 2024.

– computação quântica: será este o ano em que a computação quântica sai do laboratório construído para baixíssimas temperaturas e entra em um data center típico? Provavelmente… não. Contudo, ainda não é cedo demais para pensar em proteger sua infraestrutura contra computadores quânticos capazes de comprometer a segurança cibernética existente.

Até o final de 2024, ouviremos mais das empresas sobre a integração de elementos seguros em servidores e software usando algoritmos resistentes à quântica selecionados pelo Nist. Ouça-os. Os adversários estão colhendo agora e planejando descriptografar depois.

O avanço da IA atingiu duramente o ecossistema de tecnologia da informação (TI). Com a chegada coincidente de medos e alguns contratempos regulatórios, estamos em um período de “ressaca”. Ao antecipar um crescimento acentuado, a indústria está enfrentando oportunidades e desafios econômicos de cadeia de suprimentos e de energia relacionados –  junto com outros que não são menos importantes, se não tão urgentes.

É um bom momento para ter clareza. Aproveitar os recursos extensivos que a tecnologia oferece é uma maneira segura de obter clareza diante do tsunami de IA, da escassez de datacenters, dos desafios da rede elétrica e muito mais. 

 

* Davi Lopes é diretor de Distribuição, Inside Sales e Transformação Digital da Schneider Electric

Picture of Eduardo Boni Pontes

Eduardo Boni Pontes

Compartilhe este artigo

Veja também